Allan Pitz, autor de A Morte do Cozinheiro



Mais uma entrevista mara saindo do forno, queridos leitores!

E não é qualquer entrevista, não! Dessa vez quem bateu um papo bacana conosco foi ninguém menos que Allan Pitz.


Pasmem: Ele não é apenas um talentoso escritor, ele é também uma pessoa simpatissíssima! Quem teve o prazer de conversar com o autor de A Morte do Cozinheiro sabe e pode confirmar.

O escritor carioca de 28 anos se diz metido a ser multifacetado (poeta, romancista, contista, blogueiro). Apreciador de boxe, futebol, teatro, cinema, vinho tinto, música e pescaria, também dedica um pouco de seu tempo para dirigir espetáculos teatrais, quando convidado.


- Como começou a escrever e quais foram suas obras publicadas?

Bem, na verdade eu sempre escrevi nos meus cadernos, aqueles eternos textos flutuantes que nunca chegaram ao fim. Mas escrever, querendo publicar, querendo ser escritor, aconteceu de 2006 pra cá. Primeiro foram os textos no teatro, depois eu ganhei alguns prêmios em antologias (coletâneas poéticas e de contos). Isso me deu esperanças, motivação, daí não parou mais. Começaram as publicações próprias...

 

Estação Jugular – Uma Estrada para Van Gogh (História de Ficção) Previsão de lançamento Editora Multifoco para março de 2011.

Um Peixe de Calças Jeans  (infantil pedagógico) Editora Livro Novo 2010.

A Morte do Cozinheiro  (Romance de bolso) Above Publicações 2010.

Visões Comuns de um Porco Esquartejado (Poemas) Ponto da Cultura 2010.

Duas Doses e um Bungee Jump (Poemas) WAF – Corpos, Portugal, 2010.

A Fuga das Amebas Selvagens (contos, textos teatrais, piadas, frases) Editora Livro Novo 2009


A Morte do Cozinheiro traz uma história original. Como surgiu a ideia e a inspiração para o livro?


Na verdade, bem na verdade, observando o quão ridículos foram os meus pensamentos, na minha própria dor de cotovelo. Daí eu busquei mais coisas, e fui compondo a tragédia em questão. Os noticiários, os crimes passionais, os clássicos, as inspirações pulavam de muitos lados.


- Quanto tempo você levou para terminar de escrevê-lo?

Quatro dias ao todo.


O livro é escrito em 1° pessoa e com uma intensidade de sentimentos tão forte que, como leitora, tive a impressão que para escrevê-lo você teve que realmente se colocar na pele de Luiz. Fale um pouco sobre essa experiência.


Foi estranho... Bem estranho. Eu comecei a usar a fluência de busca teatral, como que na composição (já conhecida por mim) de um personagem para os palcos. Quando já estava bem interligado com ele, e com toda a proposta em xeque, eu tentei derramar os sentidos desse cara transtornado sobre o papel, sem regras, sem barreiras, sem satisfações literárias, apenas um despejo de coisas ásperas que tentam se interligar em tudo. No final pode ser ouro e lixo, não é uma leitura comum. Depende muito de como a pessoa “acompanha o raciocínio perturbado e tragicômico do narrador”.

- A leitura é carregada de linguagem poética. Fale um pouco sobre como foi misturar romance e poesia.

Eu adoro escrever poesias. A Morte do Cozinheiro foi escrito em 2009, logo após um livro de poesias, Visões Comuns de um Porco Esquartejado. E esse livro é altamente visceral, dramático, inconstante... Foram dois livros na mesma sintonia, a poesia fluiu naturalmente dentro dessa sintonia falada e urgente da trama. Isso fez com que o narrador deixasse mais dúvidas no ar, também.

Ainda tem o Duas Doses e um Bungee Jump, que foi lançado em Portugal, mas pode ser comprado por aqui através do site da editora, e até mesmo no formato e-book. É um livro que mostra a minha descoberta poética, foi escrito originalmente em 2007, tenho carinho por ele.

- O livro tem capa e título que atraem o leitor. Você contou com ajuda para desenvolvê- los?

O nome do livro me veio durante a escrita, mas a capa é da equipe da Above Publicações. Eu tive apenas a ideia de uma mão com a faca dividindo o tomate ao meio, e na contra capa o tomate dividido, a faca solitária, simbolizando A Morte do Cozinheiro e a separação do casal. Para não matar o cozinheiro na capa, e assim mexer mais com o simbolismo

- Quando começou a desenvolver a história você sabia qual seria o desfecho do livro?

Jamais. Toda vez que eu faço isso não termino a obra. Preciso me surpreender também!

- Na história, fica implícita a ideia de que as personagens sofreram influencia dos livros que leram. Você acredita que realmente é possível que livros influenciem os leitores?

Depende... Se a pessoa estiver necessitando ser influenciada para suprir determinado impulso, sim. Mas às vezes, nós somos influenciados de uma forma mais subconsciente. Por exemplo, em Noites Brancas, de Dostoievski, a Nastenka me influenciou de uma forma muito estranha... Assim como a Capitu, em Dom Casmurro, a Dama do Lotação, de Nélson Rodrigues... A Carmem é uma influencia dessas mulheres estranhas, talvez. Ela gera tudo isso, de alguma forma, mesmo que quase não apareça diretamente na trama. Ela acaba manipulando o Luiz.

No entanto, penso que a influência dos filmes e livros, na vida de um ser humano, depende mais do ser humano em sua assimilação das informações
 



-  O que os leitores, fãs de Alan Pitz, podem esperar para 2011?

Eu acredito fortemente que 2011 será um ano decisivo para mim. Estou muito esperançoso no meu próximo lançamento, Estação Jugular – Uma Estrada para Van Gogh, pela Editora Multifoco. E também, em outros que estão sendo avaliados por lá como A Arte da Invisibilidade, e Confetes no Funeral. Mais os textos que estou trabalhando atualmente; porém, como a gaveta está cheia, esses de agora deverão ficar mesmo para 2012.

Os meus leitores podem esperar bastante trabalho! Vamos fazer bastante barulho!


- Gostaria de enviar alguma mensagem para os leitores do Entre Fatos & Livros?

Continuem lendo o Entre Fatos & Livros, essas meninas aqui são sensacionais! E quando sobrar um tempinho, corram lá no Paquidermes Culturais.


RAPIDINHAS

~> Um gênero literário-  Isso é altamente variável... Leio de tudo.

~> Um lugar-  Tenho um carinho especial por Casimiro de Abreu, no RJ.

~> Uma palavra-  Persistência.

~> Um medo-  De sempre sentir medo.

~> Um fato-  Qualquer sistema monetário é altamente cruel e fascista!

~> Um livro-  Eu sempre respondo Contos de Aprendiz, do Carlos Drummond, mas ultimamente marcaria também O Capitão saiu para o almoço e os marinheiros tomaram conta do navio, de Charles Bukowski.



CLIQUE AQUI para ler a resenha de A Morte do Cozinheiro

CLIQUE AQUI para conhecer o blog do autor.

Compre A Morte do cozinheiro CLICANDO AQUI

Não se esqueçam que temos a coluna Autor & Você.

Clique aqui e faça uma sugestão, pergunta, elogio ou comentário para Allan Pitz.




Allan, muito obrigada meeeeeesmo pela paciência!
Nós, do Entre Fatos e Livros, admiramos sua simpatia e seu grande talento para escrever.

SUCESSO!

  
 

27 comentários:

  1. quatro dias pra escrever? que isso UAHSUAHS adorei a entrevista (:
    Beijos, Vanessa.

    ResponderExcluir
  2. Ei meninas,

    Nossa 4 dias para escrever o livro? Eu tenho medo disso rsrs.
    Mas vi muitos elogios sobre o livro, acho a capa sinistra não me animei ainda.

    bjo

    ResponderExcluir
  3. Pri... vi que você está lendo Formaturas Infernais.... É ÓTIMO ESSE LIVRO. Comprei ele e não me arrependo nem um pouco.


    Hummm.... eu acho que ficaria legal se vocês colocassem um chatbox aqui. Não sei se vocês gostam do chat, mais vai uma dica.

    Obrigada pelas matérias lindas.

    Diih-chan

    Nerds and Otakus

    ResponderExcluir
  4. Olá! Indicamos alguns selinhos para o seu blog! ^^ http://leitorasanonimas.blogspot.com/2011/01/noticia-livro-infinito-e-selos.html

    ResponderExcluir
  5. Adorei a entrevista!!!

    http://conversandocomdragoes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Eu já a li a morte do cozinheiro e gostei bastante! :D O Allan escreve muito bem... 4 dias é bem rápido, huasas. Eu achei a capa de Um Peixe de Calça Jeans tão legal! Haha Beijos,

    Bruno - minhaestante.com

    ResponderExcluir
  7. Gostei da entrevista, infelizmente ainda não li o livro.

    http://sempre-lendo.blogspot.com/

    Abraços

    Juan

    ResponderExcluir
  8. ELE LEVO QUATRO DIAS PRA TERMINAR DE ESCREVER UM LIVRO? D; Deus do céu! O cara é o ninja O:

    Adorei a entrevista meninas :D
    Beijos pra vocês, Kaká.

    ResponderExcluir
  9. Uau, quatro dias?
    Vou ler o livro p/ ter uma opnião melhor!
    Mas, sem dúvida ele é uma simpatia!!
    Um bjo

    ResponderExcluir
  10. O Allan é mesmo muito simpático rsr. Gostei muito da entrevista, teve umas perguntas bem interessantes. Parabéns

    Bjs

    Amanda / Vício em livros

    ResponderExcluir
  11. E tô muito curiosa por esse livro. Até queria tentar uma parceria mas não tenho o contado dele! Enquando isso, vou acompanhando ele pelos blos!

    :)
    @nine_stecanella
    http://janinestecanella.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Olá, meninas!

    Então, tenho visto boas e más críticas ao livro. A capa chama a atenção, sim, mas ela me dá uma impressão ruim, sei lá. Não fiquei com vontade de ler. No entanto, o Allan parece mesmo super simpático, a entrevista ficou ótima. Parabéns!

    ResponderExcluir
  13. Realmente 4 dias foi rápido demais!

    Vcs falaram da capa... engraçado, foi o q mais me conquistou de inicio! Foi pela capa q eu quis ler, inicialmente. Não tive medo, não...

    Obrigada pelos comentários!

    BjoO

    ResponderExcluir
  14. Diih, obrigada pela sugestão!! Nós estamos preparando uma surpresa para a próxima semana e espero q dê certo! Obrigada mesmo!

    BjoO

    ResponderExcluir
  15. olá Girls, muito legal a entrevista.
    eu já li sobre o livro dele, mas confesso que não chamou minha atenção. =/
    o Alan tem cara de ser bem simpático e quem sabe um dia eu leia o livro dele.^^

    ResponderExcluir
  16. Ah, não vale, eu perguntar quanto tempo ele demorou pra escrever tambem! hahaha
    Mas ficou ótima a entrevista meninas, eu adooorei! *-*

    Beeijos

    ResponderExcluir
  17. Oi Pri!

    Deixa eu elucidar a questão dos quatro dias para os leitores: Eu não dormi e me alimentei muito mal nesse processo criativo, me tranquei com o texto (tentei virar o Luiz), simplesmente não consegui parar de escrever. E depois teve a revisão que durou mais alguns dias.

    Estação Jugular levou seis meses para ficar pronto. A Arte da Invisibilidade três meses. Ambos deverão sair logo em breve.

    Muito obrigado pela força!

    2011 excelente para todos!

    ResponderExcluir
  18. Olá!

    Nossa, que entrevista legal! Adoro conhecer mais sobre os autores, principalmente os nacionais!
    Ah, que pena que ainda não tive tempo ($) para ler o livro, mas assim que puder remediarei esta situação estressante, rs.

    Abraços e sucesso.

    ResponderExcluir
  19. Nossa, 4 dias? O.O Estou realmente impressionada!
    E sim, concordo com voces que ele parece extremamente simpatico! Adorei a entrevista e, fiquei ainda mais entusiasmada pra ler o livro.


    Beijoos

    ResponderExcluir
  20. 4 dias para escrever?
    Fiquei super curiosa em ler.
    Se esse é o intuito, conseguiu atiçar minha curisidade
    rsrsrs

    ResponderExcluir
  21. Que bom q vcs gostaram! Fico tãooo feliz! *.*

    Quem gostou da entrevista tem q conferir o livro. É realmente mto bom e vale mto a pena!

    Super recomendado! Ah, o livro é barainho, confiram no link q eu deixei no post.

    BjoO

    ResponderExcluir
  22. Foi nada.

    Estou esperando anciosa pela surpresa.

    Diih-chan Nerds and Otakus

    ResponderExcluir
  23. Ainda não li o livro do autor , mas adorei a entrevista!O livro parace ser mt bom !bjsss
    Talita Arrais

    ResponderExcluir
  24. Otima a entrevista
    A parte q eu mais gostei:
    A Morte do Cozinheiro traz uma história original. Como surgiu a ideia e a inspiração para o livro?

    Na verdade, bem na verdade, observando o quão ridículos foram os meus pensamentos, na minha própria dor de cotovelo. Daí eu busquei mais coisas, e fui compondo a tragédia em questão. Os noticiários, os crimes passionais, os clássicos, as inspirações pulavam de muitos lados.

    http://apeenas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  25. A entrevista está ótima meninas!
    Com certeza eu vou ler esse livro se vcs dizem que vale a pena =)
    Obrigada pela dica!
    Bjo =*

    ResponderExcluir
  26. Ótima entrevista! Me deu muita vontade de ler os livros dele! rsrsrsrsrs
    Sucesso, tanto pra ele quanto pra vocês meninas!!!

    Beijossss!
    http://lizzyjenks.blogspot.com

    ResponderExcluir
  27. Gostei muito da entrevista.
    Já li várias resenhas sobre a morte do cozinheiro e queria muito ler o livro pra ter a minha opinião.

    ResponderExcluir

Comente, opine, se expresse! Esse espaço é seu!!!

Os comentários são moderados e não serão aceitos aqueles que contrariarem nossa política de comentáriosI, apresentando termos ofensivos ou spam.

Caso esteja interessado em parceria ou queira um contato por e-mail CLIQUE AQUI

Retribuiremos a visita!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...